sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Vida Religiosa em processo de transformação e transformadora


Nos dias 21 (com a abertura às 8:30 horas) e 22 (terminando às 15:30 horas com a Missa de Envio da Nova Coordenação) de setembro, aconteceu - no Instituto São Francisco, Setor Coimbra - a 45ª Assembleia Eletiva da Conferência dos Religiosos/as do Brasil (CRB) Regional Goiânia, constituída pelos:
- coordenadores/as (superiores/as) dos Institutos Religiosos, ou delegados/as;
- membros da Coordenação Regional em exercício;
- presidente/a da CRB Nacional ou seu delegado/a;
- coordenadores/as e um delegado/a de cada Núcleo;
- um representante de cada Grupo de Reflexão;
- outros religiosos/as, residentes na Regional Goiânia, que estavam presentes.
Como tinha sido comunicado com antecedência pela Coordenação, os objetivos da Assembleia foram:  
  1. aprofundar o tema: “Vida Religiosa em processo de transformação e transformadora”;
  2. avaliar e planejar a caminhada da nossa CRB Regional dentro do Plano Trienal 2015-2018;
  3. partilhar questões financeiras da Regional;
  4. eleger a Coordenação para 2018-2021;
  5. eleger dois delegados/as e dois suplentes para a Assembleia Geral Eletiva da CRB Nacional;
  6. aprofundar a comunhão na caminhada da nossa CRB Regional;
Para o aprofundamento do tema da Assembleia tivemos a assessoria da Irmã Bárbara Pataro Bucker, da Congregação das Irmãs Mercedárias; doutora em Teologia Sistemática pela PUC do Rio de Janeiro e mestra no Instituto de Teologia Vitae Religiosae Claretianum pela Pontifícia Universidade Lateranense; atualmente professora na PUC do Rio de Janeiro.
Contamos também com a presença do Irmão Edgar Genuíno Nicodem, Lassalista - integrante da Coordenação da CRB Nacional - que veio como delegado da Irmã Maria Inês, Presidenta da CRB Nacional.
Participei da Assembleia por interesse pessoal e representando também - a pedido do Provincial Frei José Fernandes - a nossa Província Dominicana Frei Bartolomeu de Las Casas. Éramos cerca de 70 participantes: a maioria Religiosas, poucos Religiosos e menos ainda Religiosos Padres. Parece que nós, os Religiosos - sobretudo Padres - ainda não tomamos consciência que somos membros da CRB, que somos CRB.
A Assembleia foi marcada por um verdadeiro espírito de irmãos e irmãs, preocupados/as em aprofundar - a partir das nossas experiências concretas e à luz da Palavra de Deus - o sentido da Vida Religiosa (vida de peculiar consagração a Deus, a serviço do Povo) no mundo e na Igreja hoje. Apesar das nossas limitações, a partilha das luzes e também de algumas sombras da Vida Religiosa foi muito enriquecedora. Destacamos a necessidade de reafirmar - com a palavra e, sobretudo, com o testemunho - a dimensão profética da Vida Religiosa na sociedade e na própria Igreja. O Documento de Aparecida (220) afirma que a Vida Religiosa deve ser “radicalmente profética”. Reparem: radicalmente!
Papa Francisco diz aos Religiosos/as: “Espero que ‘desperteis o mundo’, porque a nota característica da Vida Religiosa é a profecia. Como disse aos Superiores Gerais, ‘a radicalidade evangélica não é própria só dos Religiosos/as: é pedida a todos/as. Mas os Religiosos/as seguem o Senhor de uma maneira especial, de modo profético’. Esta é a prioridade que agora se requer: ‘ser profetas/profetisas que testemunham como viveu Jesus nesta terra (...). Um Religioso/a não deve jamais renunciar à profecia’ (29 de Novembro de 2013). O profeta/profetisa recebe de Deus a capacidade de perscrutar a história em que vive e interpretar os acontecimentos: é como uma sentinela que vigia durante a noite e sabe quando chega a aurora (cf. Is 21, 11-12). Conhece a Deus e conhece os homens e as mulheres, seus irmãos e irmãs. É capaz de discernimento e também de denunciar o mal do pecado e as injustiças, porque é livre, não deve responder a outros senhores que não seja a Deus, não tem outros interesses além dos de Deus. Habitualmente o profeta/profetisa está da parte dos pobres e indefesos, porque sabe que o próprio Deus está da parte deles” (Carta Apostólica Às Pessoas Consagradas para a proclamação do Ano da Vida Consagrada, 21 de novembro de 2014, II, 2).
Os Religiosos/as somos realmente profetas/profetisas no mundo e na Igreja, hoje? O que significa para nós “testemunhar como viveu Jesus nesta terra”, “perscrutar a história em que vivemos e interpretar os acontecimentos”? Meditemos!
Francisco lembra-nos ainda: “A Vida Religiosa não cresce, se organizarmos belas campanhas vocacionais, mas se as jovens e os jovens que nos encontram se sentirem atraídos por nós, se nos virem homens e mulheres felizes! De igual forma, a eficácia apostólica da Vida Religiosa não depende da eficiência e da força dos seus meios. É a vossa vida que deve falar, uma vida da qual transparece a alegria e a beleza de viver o Evangelho e seguir a Cristo” (Ib. II, 1).
Por fim, a nova Coordenação da CRB Regional Goiânia 2018-2021 ficou assim composta:
- Ir. Maura  Margarett Finn - Irmãs de São José de Rochester - Coordenadora
- Ir. Davi Nardi -  Irmãos Maristas
- Pe. Volimar Aimi - MSF
- Ir. Maria Auxiliadora Pereira (Dorinha) - Dominicanas de Santa Catarina de Sena
- Ir. Rita Petra Kallabis - Missionárias de Cristo.
    Desejamos à nova Coordenação um bom trabalho na animação da Vida Religiosa na Regional. Que o Espírito Santo ilumine a todos/as nós!

http://isjrochester.com.br/upload/informativos/264_img-1693.jpg


C:\Users\usuario\AppData\Local\Temp\Rar$DI02.949\2 - 3.jpg


Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP)
Professor aposentado de Filosofia da UFG
Goiânia, 10 de outubro de 2018

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Voto ético



    Como eterno aprendiz de filósofo e teólogo da Ética, apresento critérios - racionais (filosóficos) e racionais à luz da Fé (teológicos) - para que, nas eleições políticas, o nosso voto seja ético.
O ser humano é natureza (parte integrante da natureza) e “sabe” que é natureza. Ora - por “saber” que é natureza - ele é um ser histórico, situado (num lugar) e datado (num tempo). A natureza é o jardim e o ser humano (além de ser parte integrante do jardim) é o jardineiro. O jardim não existe sem o jardineiro e o jardineiro não existe sem o jardim.
O comportamento ético do ser humano - em nível de Opção fundamental, de Atitudes e de Atos - é o comportamento mais humano natural e mais natural humano “possível” numa determinada situação histórica concreta.
É à luz desse princípio que surgem critérios para que o nosso voto (ou seja, o nosso ato de votar) seja ético:
  1. Critério estrutural (sistêmico):
Antes de votar, precisamos fazer um juízo ético (juízo de valor) racional (filosófico) e racional à luz da Fé (teológico) sobre o sistema capitalista neoliberal no qual vivemos. Como diz o ditado: pelos frutos conhecereis a arvore. Os principais frutos do sistema capitalista neoliberal são: desigualdade institucionalizada e legalizada: uma violência estrutural permanente, que gera outras violências pessoais e de grupos; idolatria do dinheiro ou primado do deus dinheiro, ao qual tudo é sacrificado, inclusive a vida humana e todas as formas de vida; práxis (unidade dialética de prática e teoria) antiecológica, que destrói sistemática e permanentemente a natureza (a nossa Irmã Mãe Terra) para obter lucros cada vez mais exorbitantes.
Um sistema estruturalmente desigual, idólatra e antiecológico pode ser melhorado e humanizado? Por se tratar de iniquidade estrutural (que, filosoficamente, chamamos de “mal moral estrutural” e, teologicamente, de “pecado estrutural”), a resposta é: não.
Essa iniquidade estrutural ou sistêmica - que assume vários rostos nas áreas da saúde, educação, cultura, ecologia, trabalho e outras - só pode ser vencida e superada mudando as estruturas. E, mudando as estruturas, muda o sistema. Trata-se de um mal ou pecado objetivo que não depende somente da vontade individual das pessoas.   
  1. Critérios pessoais:
Antes de votar, precisamos:
    1. tomar consciência crítica do “mal moral estrutural” ou “pecado estrutural” que existe no Brasil e no mundo;
    2. posicionar-se claramente contra esse mal ou pecado;
    3. descobrir caminhos novos para vencê-lo;
    4. estar dispostos a participar - de acordo com as capacidades e possibilidades de cada um/uma - das lutas dos Movimentos Populares. Sindicatos de Trabalhadores/as, Partidos Políticos, Comitês ou Fóruns de Direitos Humanos e outras Organizações, comprometidos/as com o Projeto Popular (social, econômico, político, ecológico e cultural), que é a Sociedade do Bem Viver e do Bem Conviver ou, à luz da Fé, o Reino de Deus na história do ser humano e do mundo;
    5. por fim, ter consciência que - construindo o Projeto Popular - estamos construindo um sistema alternativo, estruturalmente justo e que poderá ser sempre aperfeiçoado.

“Pergunto-me - diz o Papa Francisco - se somos capazes de reconhecer que estas realidades destrutivas correspondem a um sistema que se tornou global. Reconhecemos que este sistema impôs a lógica do lucro a todo o custo, sem pensar na exclusão social nem na destruição da natureza? Se é assim - insisto - digamo-lo sem medo: queremos uma mudança, uma mudança real, uma mudança de estruturas. Este sistema é insuportável: não o suportam os camponeses, não o suportam os trabalhadores, não o suportam as comunidades, não o suportam os povos... E nem sequer o suporta a Terra, a Irmã Mãe Terra, como dizia São Francisco”.
O Papa diz ainda que este sistema insuportável “exclui, degrada e mata!”. E continua afirmando: “Queremos uma mudança nas nossas vidas, nos nossos bairros, no vilarejo, na nossa realidade mais próxima; mas uma mudança que atinja também o mundo inteiro, porque hoje a interdependência global requer respostas globais para os problemas locais. A globalização da esperança, que nasce dos povos e cresce entre os pobres, deve substituir esta globalização da exclusão e da indiferença” (Papa Francisco. 2º Encontro Mundial dos Movimentos Populares. Santa Cruz de la Sierra - Bolívia, 09/07/15).
Os critérios apresentados para que o nosso voto seja ético são válidos também para toda práxis (unidade dialética de teoria e prática) política. Meditemos!
“Cuidado com os falsos profetas: eles vêm a vocês vestidos com peles de ovelha, mas por dentro são lobos ferozes” (Mt 7,15). A responsabilidade pelo Brasil é nossa! Que o voto seja realmente um exercício consciente de cidadania! E que Deus nos ilumine!



Resultado de imagem para Imagem de votação
Resultado de imagem para Imagem de votação


Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP)
Professor aposentado de Filosofia da UFG
Goiânia, 03 de outubro de 2018

sábado, 29 de setembro de 2018

Estado laico: Estado do Povo




A palavra “laico” ou “leigo” (em português) deriva da palavra “laikós” (em grego), que significa “do Povo”. Neste sentido, todos e todas somos igualmente laicos ou leigos, ou seja, “do Povo“.  
Portanto, o Estado - em nível local (Governo Municipal), regional (Governo Estadual) e nacional (Governo Federal) - é do Povo (Popular). É o Povo que faz o Estado, pela prática da Democracia indireta (eleições livres de seus representantes) e da Democracia direta (plebiscitos, referendos e leis de iniciativa popular). O Povo é soberano e não pode ser manipulado, comprado e usado por grupos poderosos, em função de seus interesses econômicos e políticos.
Outro Brasil é possível e necessário! Como Povo de trabalhadores e trabalhadoras, que produzem todos os bens do país, precisamos com urgência tomar as rédeas do Estado (Poder Judiciário, Legislativo e Executivo), que é nosso, construindo o Projeto Popular (social, econômico, político, ecológico e cultural), que é a Sociedade do Bem Viver e do Bem Conviver, ou - à luz da Fé - o Reino de Deus na história do ser humano e do mundo.
Poder é serviço. Todos e todas temos algum poder, que devemos exercer em benefício do bem comum. Nas eleições precisamos escolher Partidos ou Correntes de Partidos e Políticos/as, que estejam imbuídos/as desse espírito e se identifiquem com o Projeto Popular, como Projeto alternativo ao Projeto Capitalista Neoliberal, que - por ser um Projeto estruturalmente desigual e violento, iníquo e perverso, injusto e antiético - não pode ser reformado ou humanizado, mas deve ser superado.
Sendo a história um processo dialético (contraditório), a única coisa que podemos fazer - enquanto construímos (dando passos concretos), no meio de contradições e ambiguidades, o Projeto Popular - é amenizar, com programas sociais assistenciais e promocionais, os efeitos deletérios do Projeto Capitalista Neoliberal para a maioria do Povo. Os/as que estão preocupados/as com a “governabilidade capitalista neoliberal” e a reforçam com sua prática política, não estão comprometidos/as (mesmo que digam o contrário) com o Projeto Popular.
Entre os Partidos ou Correntes de Partidos e seus Políticos/as, que defendem a construção do Projeto Popular e os Partidos ou Correntes de Partidos e seus Políticos/as, que defendem a manutenção do Projeto Capitalista Neoliberal - numa pratica politica coerente (não oportunista), humana e ética - não dá para fazer “aliança” (que é “comunhão de Projetos”), mas somente “acordos pontuais” (muitas vezes por razões diferentes e até opostas) em determinadas situações conjunturais concretas.
Lembremos disso nas eleições! Não nos deixemos enganar por Políticos/as oportunistas, hipócritas e demagogos, que usam todos os meios - inclusive a Religião e o nome de Deus - para legitimar situações políticas injustas, desumanas, antiecológicas e antiéticas, e para defender seus próprios interesses e os dos grupos políticos poderosos aos quais servem e dos quais são meros fantoches. 
O Estado do Povo (laico) e todas as realidades temporais são autônomas, em sua estrutura e funcionamento. Não dependem de nenhuma Religião ou Igreja. Por exemplo, não existe Partido Político “cristão”. O que existe é somente Partido Político, que - em seus quadros - pode ter cidadãos/ãs que são também cristãos/ãs. Não existe Democracia “cristã”. O que existe é somente Democracia, que pode ser praticada por cidadãos/ãs que são também cristãos/ãs.
Por autonomia das realidades temporais entende-se que “todas as coisas possuem consistência, verdade, bondade e leis próprias, que o ser humano deve respeitar, reconhecendo os métodos peculiares de cada ciência e arte”.   
As realidades temporais e as da Fé “têm origem no mesmo Deus. Antes, quem se esforça com humildade e constância por perscrutar os segredos da natureza, é, mesmo quando disso não tem consciência, como que conduzido pela mão de Deus, o qual sustenta as coisas e as faz ser o que são” (Concílio Vaticano II. A Igreja no mundo de hoje - GS 36).
Portanto, a Fé - se for verdadeira - não aliena e não é ópio do Povo, mas é uma luz que ilumina a razão para que o ser humano possa entender melhor e mais profundamente o sentido de sua vida e de todas as formas de vida que existem no mundo. "A Fé esclarece todas as coisas com luz nova. Manifesta o plano divino sobre a vocação integral do ser humano. E por isso orienta a mente para soluções plenamente humanas" (GS 11).  
O plenamente humano, para os cristãos/ãs, inclui a dimensão da Fé. Quando verdadeira, a Fé humaniza, torna o ser humano mais ser humano. O autêntico cristianismo é um humanismo pleno (radical). Ser cristãos/ãs é ser plenamente (radicalmente) humanos. O plenamente (radicalmente) humano é cristão (divino em Cristo) e o cristão é plenamente (radicalmente) humano. "Todo aquele que segue Cristo, o Homem perfeito, torna-se ele também mais ser humano" (GS 41).   
Como seres humanos e como cristãos/ãs, lutamos por um humanismo pleno (radical) que seja natural e um naturalismo pleno (radical) que seja humano. A natureza é o jardim e o ser humano, o jardineiro. O jardim não existe sem o jardineiro e o jardineiro não existe sem o jardim.
Em tempo de eleições, estejamos de olhos bem abertos e gritemos alto e bom som: o Estado é do Povo (laico), o Estado somos nós!




Resultado de imagem para Imagens do Estado do Povo


Resultado de imagem para Povo no Poder:imagens


Declaração Universal dos Direitos Humanos
   

Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP)
Professor aposentado de Filosofia da UFG
Goiânia, 26 de setembro de 2018


sábado, 22 de setembro de 2018

Medellín em gotas: 16ª- Realidade da família



No documento “Família e Demografia” - que é o terceiro - a II Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e Caribenho de Medellín começa afirmando: “Nesta tomada de consciência da Igreja a respeito de si mesma, enquanto inserida na realidade latino-americana, é-lhe indispensável a reflexão sobre a realidade da família”.
Reconhece, pois, que esta reflexão não é fácil, por várias razões. “Porque a ideia da família encarna-se em realidades sociológicas sumamente diversas. Porque a família tem sofrido, talvez mais que outras instituições, os impactos das mudanças e transformações sociais. Porque na América Latina a família (reparem!) sofre de modo especialmente grave as consequências ‘dos círculos viciosos’ do subdesenvolvimento: más condições de vida e cultura, baixo nível de salubridade, baixo poder aquisitivo etc., transformações que nem sempre se podem captar adequadamente”.
Na América Latina e Caribe, como também em outras partes do mundo, a família encontra-se “em situação de transformação” e sofre “a influência de quatro fenômenos sociais fundamentais”:
  1. “Passagem de uma sociedade rural a uma sociedade urbana, o que leva uma família de tipo patriarcal a um novo tipo de família, de maior intimidade, com melhor distribuição de responsabilidades e maior dependência de outras micro - sociedades.
  2. O processo de desenvolvimento (reparem novamente!) implica em abundantes riquezas para algumas famílias, insegurança para outras e marginalidade social para as restantes (que, infelizmente, são a maioria).
  3. O rápido crescimento demográfico, que não deve ser tomado como a única variável demográfica e muito menos como a causa de todos os males da América Latina (e Caribe), engendra vários problemas tanto de ordem socioeconômica como de ordem ético-religiosa.
  4. O processo de socialização, que subtrai à família alguns aspectos de sua importância social e de suas zonas de influência, mas deixa intactos seus valores essenciais e sua condição de instituição básica de sociedade global”.
Estes fenômenos - afirmam os bispos - “produzem na família concreta da América Latina (e Caribe) algumas repercussões que se traduzem em problemas de certa gravidade”. Na impossibilidade de catalogá-los todos, apontam “os que parecem ter maior transcendência, incidência mais frequente ou maior repercussão sócio - pastoral”:
  • “Índice de casamento muito baixo. A América Latina (e Caribe) registram os mais baixos índices de casamentos em relação à sua população. Isto indica uma alta porcentagem de uniões ilegais, aleatórias e quase sem estabilidade, com todas as consequências que derivam de tal situação.
  • Alta porcentagem de nascimentos de uniões ocasionais (mãe é mãe, filho é filho, sem adjetivos). É esse um fator que pesa fortemente sobre a explosão demográfica.
  • Crescente e alto índice de desagregação familiar, seja pelo divórcio tão facilmente aceito e legalizado em não poucas regiões, seja por abandono do lar (quase sempre por parte do pai), seja pelas desordens sexuais nascidas de uma falsa noção de masculinidade.
  • Acentuação do hedonismo e do erotismo como resultante da asfixiante propaganda propiciada pela civilização de consumo.
  • Sérios problemas de moradia por causa de insuficiente e defeituosa política a respeito desse problema”.
  • Desproporção entre os salários e as condições reais da família.
  • Má distribuição dos bens de consumo e de civilização, como: alimentação, vestuário, trabalho, meios de comunicação, descanso, diversões, cultura etc.
  • Impossibilidade material e moral para muitos jovens de constituir dignamente uma família, o que provoca o surgimento de muitas células familiares deterioradas”.
Os participantes da Conferência concluem dizendo: “Nosso dever pastoral é fazer um premente apelo aos que governam e a todos os que possuem alguma responsabilidade a respeito, para que deem à família o lugar que lhe corresponde na construção de uma cidade temporal digna do ser humano, ajudando-a a superar os graves males que a afligem e impedem sua plena realização.
Como é atual essa análise e interpretação da realidade da família na América Latina e Caribe! Ah, se hoje os Encontros ou Congressos de Pastoral Familiar começassem - como nos ensina Medellín - com “a reflexão sobre a realidade da família”! Os resultados seriam outros.
Para desenvolver uma verdadeira Pastoral Familiar não podemos partir da “família ideal” (a família em si), mas das “famílias reais” (as famílias que de fato existem); apresentar a proposta de vida de Jesus e respeitar (sem condenações) as etapas de crescimento das famílias, sabendo que - no mundo - nenhuma família vive de maneira plena o ideal de Jesus. Ele é uma busca contínua.
Tomar consciência da situação de injustiça em que vive a maioria das nossas famílias e lutar por seus direitos a fim de que todas as famílias tenham o necessário para uma vida digna, não é parte integrante da Pastoral Familiar? Lendo certos textos sobre Pastoral Familiar ou relatórios de Encontros e Congressos tem-se a impressão que essas questões de direitos humanos e de justiça não têm nada a ver com a Pastoral Familiar. Não é uma atitude - ingênua ou não - que legitima a situação de injustiça institucionalizada e legalizada, na qual vive a maioria de nossas famílias? Não é essa uma fuga dos reais problemas das famílias? Não seria bom que a Pastoral Familiar retomasse o ensinamento de Medellín vivenciando o método “ver, julgar, agir” (analisar, interpretar, libertar) e “celebrar”?
Como diz o Documento de Aparecida (e não somente Medellín), ele "nos permite articular, de modo sistemático, a perspectiva cristã de ver a realidade; a assunção de critérios que provêm da fé e da razão (ou seja, da razão iluminada pela fé) para seu discernimento e valorização com sentido crítico; e, em consequência, a projeção do agir como discípulos/as missionários/as de Jesus Cristo" (19).

Imagem relacionada




Descrição: Descrição: Resultado de imagem para Fotos da II Conferência Episcopal da América Latina e Caribe em Medellín, 1968


Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP)
Professor aposentado de Filosofia da UFG
Goiânia, 19 de setembro de 2018

A palavra do Frei Marcos: uma palavra crítica que - a partir de fatos concretos e na escuta dos sinais dos tempos - aponta caminhos novos