segunda-feira, 4 de junho de 2012

Irmã Katherine Marie: a "Irmã do SUS", vitima do próprio SUS

No dia 18 de abril/12 escrevi o artigo “Irmã Katherine: uma santa dos nossos dias”, fazendo a memória da vida da religiosa missionária (falecida no dia 9 do mesmo mês na Santa Casa de Misericórdia de Goiânia), e destacando o seu compromisso com as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e com a Saúde Pública (SUS). (Leia o artigo em: http://www.dmdigital.com.br/novo/#!/view?e=20120420&p=26 ou em: http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&langref=PT&cod=66247). Por ter conhecido e convivido com a Irmã Katherine, é com muita dor no coração que faço agora publicamente uma denúncia: a Irmã Katherine, chamada - por sua dedicação à saúde pública - “Irmã do SUS”, foi vítima da negligência e do descaso do próprio SUS. A denúncia é baseada no dossiê “Relatório e Depoimentos relacionados à Internação e Óbito de Ir. Katherine na Santa Casa de Misericórdia de Goiânia - Goiás - de 4 a 9 de abril de 2012”, organizado pela Irmã Joana Dalva Alves Mendes, Coordenadora Regional das Irmãs de São José de Rochester - ISJR, família religiosa à qual a Irmã pertencia. O dossiê - diz a Carta de apresentação - “tem como objetivo fazer um alerta sobre as condições de atendimento aos pacientes, que se internam em hospitais da rede pública e/ou conveniados de Goiânia e de outras regiões do país”. “Irmã Katherine Marie Popowich teve um histórico de AVC, em setembro de 2011, o qual a levou a ser hospitalizada na UTI do Hospital São Francisco de Assis em Goiânia e, logo que saiu da UTI, foi transferida para a Santa Casa de Misericórdia, após ter passado pela Unidade de Saúde da Família do Parque Tremendão (Região Noroeste de Goiânia), realizado diversos exames, inclusive uma tomografia do crânio no Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO). O encaminhamento da internação no dia 4 de abril/12 relatava outra ocorrência de AVC como hipótese diagnóstica. Irmã Katherine, que desde o dia 1º de abril/12 estava sentindo pouca energia, muita sonolência e episódios de confusão mental, no momento da internação (4 de abril/12), relatava não sentir dor, mas sonolência e só queria dormir o tempo todo”. Segundo o dossiê, “a atenção básica oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS), na Unidade de Saúde de seu bairro, Parque Tremendão, foi exemplar. Correspondeu ao que a Irmã Katherine acreditava e defendia o que deve ser o SUS”. Infelizmente, porém, o atendimento que a religiosa recebeu na Santa Casa de Misericórdia - que é também o Hospital-Escola da PUC-GO - foi bem diferente (muito precário). “Mesmo sendo uma pessoa conhecida por seu trabalho e dedicação em defesa do SUS, ironicamente, Irmã Katherine foi vítima da negligência dos prestadores de serviços de saúde, trabalhadores do SUS”. Eis alguns fatos que falam por si mesmos: 1- A demora no atendimento para a internação. A religiosa foi internada por volta das 10h do dia 4 de abril/12, acompanhada por duas Irmãs e a Agente de Saúde da Família do Parque Tremendão. Permaneceu sentada numa cadeira de rodas por duas horas. Levada para o quarto, não havia roupas de cama para preparar a cama dela. Trouxeram um lençol e disseram que só no final da tarde teria outras roupas de cama. 2- A demora no atendimento médico. Só às 15h recebeu a visita do Dr. Roberto Pedrosa e, mais tarde, do Dr. José Alvarenga com a equipe de quatro residentes. 3- A demora na avaliação dos exames realizados nos dias 2 e 3 de abril. No dia 9 de abril (reparem: cinco dias depois da internação) o Dr. Alvarenga visitou a paciente e disse à Irmã Ellen que tinha acabado de ver o laudo da tomografia (realizada no dia três e entregue pela acompanhante no dia 4), que constava uma trombose cerebral grande e uma infecção pulmonar. No mesmo dia, às 17h, a paciente foi transferida para a UTI. 4- A falta de comunicação entre os médicos. Na hora em que a Irmã Katherine foi transferida para a UTI, três Irmãs encontraram com o Dr. Pedrosa, que ainda não sabia do resultado da tomografia, porque não tinha recebido comunicação do Dr. Alvarenga. 5- A falta de atendimento humanizado (sobretudo, por se tratar de pessoa idosa). No sábado, dia 7 de abril, às 7h, o Dr. Pedrosa visitou a Irmã Katherine. A religiosa acompanhante, vendo a fraqueza da Irmã, perguntou ao médico: O que é que está causando tanta fraqueza na Irmã Katherine? Ele respondeu: a idade. A religiosa disse ao médico que não podia ser só isso, porque a Irmã Katherine, poucos dias antes, estava muito ativa, indo a reuniões e andando sozinha. Diante do que a religiosa falou, o médico, numa atitude de desrespeito, não disse mais nada e saiu do quarto, voltando somente 50 horas depois, no dia 9 (segunda feira), às 9h. 6- A falta de informações à família religiosa da Irmã Katherine: A equipe de profissionais da saúde, que atendeu a Irmã Katherine, não se preocupou em oferecer as informações necessárias à família religiosa da Irmã. Todo esse descaso no atendimento à Irmã Katherine na Santa Casa de Misericórdia de Goiânia foi vivenciado pelas religiosas que, com muita dedicação e carinho, acompanharam e cuidaram da Irmã.até o seu falecimento. A Irmã Joana, Coordenadora Regional das Irmãs de S. José de Rochester e Organizadora do Dossiê, afirma: “O que mais me preocupou foi a falta de humanização que encontramos por parte de profissionais que estão lidando com a vida e com a morte das pessoas. O desrespeito ao direito de a pessoa receber cuidados de qualidade foi gritante”. Diz ainda a Irmã Joana: “Deixando a intervenção para após o agravamento da situação, causaram à paciente danos que a levaram à UTI e posteriormente ao óbito. Na qualidade de família da Irmã Katherine, fomos desrespeitadas no direito à informação sobre sua saúde. Os profissionais foram omissos quanto à divulgação de informações em relação às necessidades da paciente, que talvez a família pudesse atender, como é o caso de um exame solicitado e não realizado, por não estar autorizado pelo SUS. Não nos informaram. A falta de profissionalismo e de respeito a princípios éticos, estabelecidos inclusive pelo Código de Ética médica, levaram-na ao óbito”. Que irresponsabilidade! Ora, se houve descaso e negligência com a Irmã Katherine - pessoa muito conhecida pela sua atuação em defesa do SUS - imaginem o que deve acontecer com as outras pessoas que dependem do SUS! Como exemplo, cito o caso recente de Dona Fiuca, 77 anos, da Comunidade Jesus de Nazaré do Jardim Curitiba II, que contava sempre com a presença da Irmã Katherine. Dona Fiuca, antes de conseguir uma vaga na UTI do Hospital Monte Sinai, esperou 4 dias no Cais do Jardim Curitiba II e uma tarde e uma noite no Cais do Novo Horizonte. Finalmente - depois dessa via sacra - foi internada às 4h e às 5:30h veio a falecer. Que crime! Quem vai responder por ele e por muitos outros crimes na saúde pública? Conclui a Irmã Joana: “Esperamos que a Irmã Katherine, tendo em vida se dedicado à defesa do atendimento humanizado e de qualidade, na sua morte seja semente de mudança na forma com que a saúde é tratada. Que sua morte leve servidores do SUS e profissionais da saúde a se tornarem mais humanos e respeitosos do direito à vida em todas as suas fases. Que as pessoas não sejam ‘descartadas’ por serem idosas. Que a saúde não seja tratada como mercadoria, que dá direito ao atendimento de qualidade somente a quem pode pagar”. A Irmã Katherine, foi uma verdadeira seguidora de Jesus de Nazaré, amou os pobres e foi solidária com eles até o fim. Na fé, posso dizer: Santa Katherine, roga por nós! Diário da Manhã, Opinião Pública, Goiânia, 01/06/12, p. 07 http://www.dmdigital.com.br/novo/#!/view?e=20120601&p=23 http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=67487 http://correiodobrasil.com.br/irma-katherine-marie-a-%E2%80%98irma-do-sus%E2%80%99-vitima-do-proprio-sus/462558/ http://www.semanasocialbrasileira.org.br/post/771 http://minutonoticias.com.br/irma-katherine-marie-a-%e2%80%98irma-do-sus%e2%80%99-vitima-do-proprio-sus Fr. Marcos Sassatelli, Frade dominicano Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP) Prof. de Filosofia da UFG aposentado Prof. na Pós-Graduação em Direitos Humanos (Comissão Dominicana Justiça e Paz do Brasil / PUC-GO) Vigário Episcopal do Vicariato Oeste da Arquidiocese de Goiânia Administrador Paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Terra E-mail: mpsassatelli@uol.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A palavra do Frei Marcos: uma palavra crítica que - a partir de fatos concretos e na escuta dos sinais dos tempos - aponta caminhos novos