segunda-feira, 26 de maio de 2014

Dom Celso, um pastor irmão dos pobres

Em poucos dias - depois de Dom Tomás Balduino - mais um irmão nosso dominicano, muito querido, Dom Celso Pereira de Almeida, “completou a sua Páscoa”, passou para “a vida além da morte” e mergulhou - para toda a eternidade - no mistério da Santíssima Trindade, que é o mistério do amor infinito de Deus para conosco.
A nossa dor - de familiares, de irmãos e irmãs de vida religiosa dominicana e de tantos outros irmãos e irmãs de caminhada de Dom Celso - é muito profunda, mas a esperança é maior. E é por isso que a serenidade e a paz invadem o nosso coração. “Eu sou a Ressurreição e a Vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais” (Jo 11,25-26).
O nosso irmão Celso foi um homem autêntico, transparente, alegre, de extraordinária sensibilidade humana e radicalmente evangélico. Seu testemunho de humildade, simplicidade, proximidade e solidariedade para com os pobres renovou e fortaleceu a nossa esperança. Sua vida foi uma advertência aos poderosos e uma denúncia contra toda injustiça. Como profeta de Deus, Dom Celso tornou-se - quando necessário - defensor e advogado dos pobres, mesmo com risco de sua vida.  
O nosso irmão Celso se relacionava com os pobres, não como objetos de assistência, ou mesmo de ação caritativa, mas como sujeitos e protagonistas de sua própria história. Ele frequentou a escola dos pobres, aprendeu e assimilou sua sabedoria, que é a sabedoria de Deus. Fez-se pobre com os pobres, como Jesus de Nazaré.
Dom Celso era uma pessoa sempre bem humorada. Interessava-se por tudo aquilo que os irmãos e as irmãs faziam. Elogiava e valorizava o seu trabalho, animando a todos e a todas. Ele se identificou com os últimos, que são os preferidos de Deus.
Nunca se colocou numa posição de superioridade, nunca quis ser mais importante do que os outros, sempre foi um irmão de caminhada, andando na frente, do lado ou atrás do seu povo, conforme a necessidade.
O nosso irmão Celso não era um homem legalista, formal e preocupado com as exterioridades. Nos Encontros e nas Celebrações, ele sempre tinha um sincero e profundo respeito por tudo o que as Comunidades e seus animadores preparavam. Quando tinha algo a sugerir, o fazia com amor e com carinho, sem humilhar ninguém. Ele encarnou e viveu a teologia da Igreja Povo de Deus e toda ministerial. Despojou-se de toda forma de autoritarismo clerical.
Em Goiânia e em Porto Nacional - nas Celebrações de corpo presente - fizemos a memória da vida de Dom Celso, que foi, toda ela, um testemunho evangélico de amor aos pobres. No seu ministério de padre e de bispo, ele foi um pastor irmão, amigo e companheiro de caminhada dos pobres, dos excluídos e de todos aqueles que não têm voz nem vez, que são os descartados da sociedade iníqua na qual vivemos .
O povo pobre, que conheceu e conviveu com Dom Celso, tem uma verdadeira veneração por ele. No aeroporto de Porto Nacional - cidade onde o nosso irmão Celso foi bispo por 22 anos - o corpo dele foi recebido com carinho e gratidão por muitas pessoas, entre as quais religiosas, padres e o bispo emérito Dom Geraldo Gusmão, que fez uma fraterna e comovente acolhida. Estavam presentes também o prefeiro da cidade e outras autoridades. No cortejo para a Catedral, Dom Celso foi muito saudado e aplaudido pelo povo nas ruas.
Depois de ser velado, com Orações e Celebrações, o corpo do nosso irmão Celso foi sepultado na Catedral, ao lado do túmulo de Dom Alano, seu predecessor - também dominicano - que o povo considera um santo, e Dom Celso tinha por ele uma veneração especial.
A Igreja, pela qual o nosso irmão Celso doou sua vida por amor, é - como diz o papa Francisco - uma Igreja “em saída”, uma Igreja “com as portas abertas”, uma Igreja que sabe “olhar nos olhos e escutar”, uma Igreja que sabe “renunciar às urgências para acompanhar quem ficou caído à beira do caminho”.
“Prefiro - afirma Francisco - uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças. Não quero uma Igreja preocupada em ser o centro, e que acaba presa num emaranhado de obsessões e procedimentos” (A Alegria do Evangelho - EG, 46, 49).
A Igreja de Dom Celso - que, temos certeza, continua presente entre nós - é “uma Igreja pobre, para os pobres, com os pobres e dos pobres”.
Irmão Celso, roga por nós!
. Fr. Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP),
Professor aposentado de Filosofia da UFG
                                                                                       Goiânia, 15 de maio de 2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A palavra do Frei Marcos: uma palavra crítica que - a partir de fatos concretos e na escuta dos sinais dos tempos - aponta caminhos novos