sexta-feira, 5 de julho de 2013

A corrupção pública

A corrupção pública é, antes de tudo, estrutural. É o próprio sistema capitalista neoliberal, que é corrupto. As práticas de corrupção pública são um reflexo desse “sistema econômico iníquo” (Documento de Aparecida - DA, 385). Elas servem para fortalecê-lo e para defender interesses individuais e de grupos. A preocupação com o bem comum, que é o bem de todos e de todas, a partir dos empobrecidos, oprimidos e excluídos, nem passa pela cabeça de muitos de nossos agentes públicos.
No Brasil, “oitocentos bilhões de reais são roubados, desviados com obras superfaturadas, cartões corporativos entre golpes de toda a espécie com dinheiro público todos os anos” (http://www.achetudoeregiao.com.br/atr/corrupcao.htm). Infelizmente, a corrupção pública é uma constante em nossa sociedade e é considerada como algo normal e natural. Bobo é quem, podendo, não aproveita.
Surpreendentemente, o povo está acordando. A tônica de todas as manifestações do povo nas ruas, principalmente dos jovens, é de indignação e de combate à corrupção pública.
Por causa da pressão popular, o Senado Federal, no dia 26 de junho deste ano, aprovou projeto de lei que altera o Código Penal e torna a corrupção crime hediondo. É mais uma vitória do povo.
“O texto aprovado determina que a corrupção ativa (quando é oferecida a um funcionário público vantagem indevida para a prática de determinado ato de ofício) passa ter pena de 4 a 12 anos de reclusão, além de multa - atualmente, a reclusão é de 2 a 12 anos. A mesma punição passa a valer para a corrupção passiva (quando funcionário público solicita ou recebe vantagem indevida em razão da função que ocupa). A proposta também inclui entre crimes hediondos a prática de concussão (ato de exigir benefício em função do cargo ocupado)” (http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/06/senado-aprova-texto-base-de-projeto-que-torna-corrupcao-crime-hediondo.html).
            Esperamos que o projeto de lei do Senado seja aprovado na Câmara e sancionado pela presidenta da República.
Refiro-me, agora, a uma prática de corrupção pública, legalizada e institucionalizada, da qual pouco se fala e que - a meu ver - pode ser considerada uma prática de concussão. Trata-se dos gastos exorbitantes e inescrupulosos de dinheiro público com todo tipo de mordomias por parte de políticos e outros agentes públicos. É uma vergonha e uma afronta ao nosso povo, sobretudo aos trabalhadores que ganham salário mínimo. É um comportamento repugnante e que, de alguma forma, se torna até ridículo.
Alguns exemplos são paradigmáticos e, ao mesmo tempo, ilustrativos. Em nível de Brasil, cito dois. O primeiro: entre 2011 e abril de 2013, nas 46 viagens da comitiva presidencial, foram gastos US$ 4, 5 milhões; em 2011 e 2012, no pagamento de diárias para ministros, equipe de apoio e funcionários nas missões no estrangeiro, foram gastos US$ 3, 1 milhões; numa diária da suíte presidencial, foram gastos US$ 19 mil.
Nas viagens presidenciais, a lista de exigências do Itamaraty às Embaixadas é sempre grande: cerca de 17 veículos, incluindo um blindado para a presidenta, furgão sem banco para equipamentos e caminhão-baú para a bagagem; uma média de 55 quartos em hotéis; material de escritório, além de telefone e internet para as cerca de 80 pessoas da comitiva oficial (cf. Folha de S. Paulo, 17 de junho de 2013, p. A10).
O segundo exemplo: o presidente da Câmara dos Deputados usou, com dinheiro público e com a maior cara-de-pau, um avião da Força Aérea Brasileira para levar a noiva, parentes dela, enteados e um filho ao jogo da seleção no Maracanã, no domingo passado, dia 30 de junho. Reparem! Um jato C-99 da FAB foi buscar a turma em Natal, terra do deputado. Decolou às 19h30 de sexta-feira rumo ao Rio de Janeiro e retornou no domingo, às 23h, após o jogo (cf. Ib. 03 de julho de 2013, p. A7).
Em nível de Estado de Goiás, cito um exemplo. Os gastos da Assembleia Legislativa com viagens de deputados estaduais e servidores entre fevereiro e 7 de junho (deste ano), data de atualização do último Diário Oficial da Casa, somam R$ 280,9 mil (cf. O Popular, 24 de junho de 2013, p. 2).
Outros exemplos de práticas de corrupção pública (malversação do dinheiro público) são os chamados auxílio-alimentação e auxílio-moradia para juízes. Trata-se realmente de práticas antiéticas inadmissíveis, que ofendem a sensibilidade de todos e de todas. É o cúmulo do absurdo!
Precisamos lutar para que a praga da corrupção, que envenena a vida pública, seja extirpada de nossa sociedade Uma outra prática pública é possível e necessária! Já temos sinais positivos, que abrem caminhos novos e começam a criar as condições objetivas para que isso aconteça. A esperança nunca morre!


Fr. Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP),
Professor aposentado de Filosofia da UFG

Goiânia, 03 de julho de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A palavra do Frei Marcos: uma palavra crítica que - a partir de fatos concretos e na escuta dos sinais dos tempos - aponta caminhos novos