segunda-feira, 16 de abril de 2018

Medellín em gotas: 5ª- Verdadeiro desenvolvimento

A Introdução às Conclusões de Medellín afirma ainda: “O fato de a
transformação a que assiste nosso continente atingir com seu impacto todos os níveis
da existência, apresenta-se como um signo e uma exigência”.
E continua: “Nós, cristãos, não podemos deixar de pressentir a presença de
Deus, que quer salvar o ser humano inteiro, alma e corpo. No dia definitivo da
salvação Deus ressuscitará também nossos corpos, por cuja redenção geme agora
em nós o Espírito com gemidos indescritíveis. Deus ressuscitou a Cristo e, por
conseguinte, todos os que creem nele. Através de Cristo, ele está ativamente presente
em nossa história e antecipa seu gesto escatológico não somente no desejo
impaciente do ser humano para conseguir sua total redenção, mas também naquelas
conquistas que, como sinais indicadores, com voz cada vez mais poderosa, do futuro,
vai fazendo o ser humano através de uma atividade realizada no amor”.
Fazendo a memória do passado, lembra-nos: “Assim, como outrora Israel, o
antigo Povo, sentia a presença salvífica de Deus quando ele o libertava da opressão
do Egito, quando o fazia atravessar o mar e o conduzia à conquista da terra prometida,
assim também nós: novo Povo de Deus não podemos deixar de sentir seu passo que
salva, quando se diz o ‘verdadeiro desenvolvimento, que é, para cada um e para
todos, a passagem de condições de vida menos humanas para condições de vida
mais humanas’”.
A Introdução enumera, pois, essas condições. Menos humanas: “as carências
materiais dos que são privados do mínimo vital e as carências morais dos que são
mutilados pelo egoísmo; as estruturas opressoras que provenham dos abusos da
posse do poder, das explorações dos trabalhadores ou da injustiça das transações”.
Mais humanas: “a passagem da miséria para a posse do necessário, a vitória
sobre as calamidades sociais, a ampliação dos conhecimentos e a aquisição da
cultura; o aumento na consideração da dignidade dos demais, a orientação para o
espírito de pobreza, a cooperação no bem comum e a vontade de paz; o
reconhecimento, por parte do ser humano, dos valores supremos e de Deus, que
deles é a fonte e o fim; e em especial, a Fé, dom de Deus acolhido pela boa vontade
dos seres humanos e a unidade na caridade de Cristo, que nos chama a todos a
participar como filhos na vida de Deus vivo, Pai de todos os seres humanos”.
Reparem a profundidade e atualidade das reflexões: as conquistas que “o ser
humano vai fazendo, através de uma atividade realizada no amor”, são “sinais
indicadores” de salvação, que antecipam o “gesto escatológico” de Cristo. E também:
como outrora o antigo Povo de Deus sentia a “presença salvífica” de Deus na
libertação da opressão do Egito e na conquista da terra prometida, assim também nós,
novo Povo de Deus, não podemos deixar de sentir “seu passo que salva”, quando se
diz o “verdadeiro desenvolvimento”, que é, para cada um e para todos, a passagem (=
páscoa) de condições de vida menos humanas para condições de vida mais
humanas”.
A visão de salvação de Medellín supera todo tipo de dualismo e abrange o ser
humano no mundo, na totalidade de suas dimensões e relações: com o mundo (a
criação), com os outros (os semelhantes) e com o Outro absoluto (Deus). Segundo
essa visão, a salvação acontece no processo histórico de libertação - que é um
processo permanente - de tudo o que impede a vida. A salvação é, pois, a realização,
dentro do plano de Deus, do ser humano em sua história pessoal, social e cósmica,
até à plenitude na meta-história. Nisso consiste o sentido da vida do ser humano e
sua felicidade.
Diz o Concílio Vaticano II: “Aprouve a Deus salvar e santificar os seres
humanos, não individualmente, excluída qualquer ligação entre eles, mas constituindo-
os em Povo que o conhecesse na verdade e o servisse santamente” (Sobre a Igreja -
LG, 9).
Por sua visão de salvação como libertação que acontece e se faz história,
Medellín tornou-se a principal fonte inspiradora da Teologia da Libertação. No mundo,
não existem duas histórias: a história humana e a história da salvação. A história
humana é a história da salvação.
Qual é a visão de salvação (visão teológica mesmo) que nós - como Igreja -
temos hoje? Será que é a de Medellín? Que ação evangelizadora e que prática
pastoral são necessárias para sentirmos a “presença salvífica” de Deus ou “seu passo
que salva” nas lutas de libertação hoje? Mais uma vez, pensemos!




Fr. Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP)
Professor aposentado de Filosofia da UFG
E-mail: mpsassatelli@uol.com.br
Goiânia, 11 de abril de 2018



Nenhum comentário:

Postar um comentário

A palavra do Frei Marcos: uma palavra crítica que - a partir de fatos concretos e na escuta dos sinais dos tempos - aponta caminhos novos