sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Fazendo a memória do 6º Interreclesial das CEBs

No dia 31 de julho deste ano de 2011 escrevi um Artigo com o título: 25
Anos do 6º Encontro Interreclesial das CEBs. No Artigo fiz um histórico dos 12 Interreclesiais das CEBs, já acontecidos no Brasil, e uma referência ao 13º Interreclesial, que está sendo preparado e acontecerá, de 07 a 11 de janeiro de 2014, em Crato (CE), com o tema: “Justiça e Profecia a Serviço da Vida. CEBs, Romeiras do Reino no Campo e na Cidade”.
No mesmo Artigo apresentei também uma síntese do conteúdo teológico-pastoral do 6º Interreclesial e dei a sugestão de realizar uma Romaria ao Santuário do Divino Pai Eterno em Trindade - GO, fazendo a memória dos 25 anos do 6º Interreclesial (Leia o Artigo em: Diário da Manhã, Opinião Pública, Goiânia, 31/07/11, p. 6, ou em: www.adital.com.br - 01/08/11).
Depois de diversos encontros com pessoas e Comunidades interessadas, o Vicariato Oeste da Arquidiocese de Goiânia decidiu promover a Romaria - que já tinha sido sugerida no Artigo - no dia 27 deste mês de novembro/11.
Portanto, convida para participarem desta Romaria todas as Comunidades do Vicariato e estende o convite às outras Comunidades da Arquidiocese de Goiânia, do Regional Centro-Oeste da CNBB e do Brasil todo. O 6º Interreclesial marcou a caminhada das CEBs no país inteiro.
Retomo agora algo daquilo que escrevi no Artigo acima citado, a respeito do 6º Interreclesial. Aconteceu há 25 anos, do dia 21 a 25 de julho de 1986, em Trindade - GO (depois de um ano, um mês e 20 dias da Páscoa definitiva do grande Pastor-Profeta Dom Fernando Gomes dos Santos, arcebispo de Goiânia) e teve como tema: “CEBs, Povo de Deus em Busca da Terra Prometida”.
O Encontro contou com 1.647 participantes, dentre os quais 742 representantes das bases, 203 agentes de pastoral, 30 assessores, 51 bispos, 16 representantes de Igrejas evangélicas, 10 representantes dos povos indígenas, e observadores nacionais e estrangeiros.
“O 6º Interreclesial significou uma virada decisiva na vida dos Interreclesiais. (...) Os Encontros Interreclesiais das CEBs passam, em Trindade, por uma transformação de sua natureza. (...) Em razão da proporção dos participantes, bem mais acentuada com respeito aos Encontros anteriores, não havia condições plausíveis para um estudo mais aprofundado sobre os temas propostos. Num evento de quase duas mil pessoas não se podia mais, evidentemente, privilegiar o momento reflexivo. A dimensão celebrativa passa a ocupar lugar de centralidade, o que não significa ausência da dimensão reflexiva, que permanecerá em cena. A novidade é que  a  partir  de  então  os tempos fortes dos Interreclesiais serão ocupados por grandes e vibrantes celebrações de fé. As celebrações do Interreclesial de Trindade foram extremamente criativas, com destaque para a presença de símbolos gestados na ampla e profunda experiência de enraizamento popular das Comunidades” (Os Interreclesiais das CEBs: Identidade em construção! Persp. Real. 29 (1997) 155-187).
Diversas vezes, durante o Encontro, foi proclamado, alto e bom som, que “a Santíssima Trindade é a melhor Comunidade”.
Em sintonia com o tema central, outros grandes temas - ligados à caminhada das CEBs - marcaram o 6º Interreclesial: CEBs e seu estatuto eclesiológico (identidade e missão, fé e política, espiritualidade libertadora e Bíblia, hierarquia e ministérios); CEBs e política partidária; CEBs e projeto político popular; CEBs e sindicalismo; CEBs e movimentos populares; CEBs e lutas específicas (mulheres, negros e índios); CEBs e luta pela terra (terra de Deus, terra de irmãos): CEBs e reforma agrária (projetos do governo); CEBs e moradia (solo urbano); CEBs e questão latino-americana; CEBs e ecumenismo; e outros.
Com a Romaria do dia 27 deste mês de novembro/11, primeiro domingo do Advento, queremos fazer a memória, ou seja, tornar presente hoje tudo o que o 6º Interreclesial significou e ainda significa para a caminhada das CEBs no Brasil.
Nos encontraremos no trevo da entrada de Trindade, a partir das 9:00h. Acolheremos as Comunidades com muito canto, alegria e festa. Partilharemos fraternalmente um lanche comunitário. Faremos uma caminhada penitencial até o Santuário, com cantos de perdão e reconciliação. Entraremos no Santuário do Divino Pai Eterno, louvando, glorificando e agradecendo a Deus pelo reencontro fraterno, pelo perdão recebido e pela vida das nossas Comunidades. Celebraremos a Palavra e a Eucaristia com muita fé. Renovaremos o nosso compromisso de discípulos/as missionários/as de Jesus. Seremos, enfim, enviados/as para continuar a missão de Jesus no mundo de hoje.

Venham! Participem! Será um tempo forte de graça de Deus. Será uma manhã de muita alegria, de muita paz, de muita espiritualidade e de muito compromisso.
Diário da Manhã, Opinião Pública, Goiânia, 17/11/11, p. 6



Fr. Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção – SP)
Prof. de Filosofia da UFG (aposentado)
Prof. na Pós-Graduação em Direitos Humanos
(Comissão Dominicana Justiça e Paz do Brasil / PUC-GO)
Vigário Episcopal do Vicariato Oeste da Arquidiocese de Goiânia
Administrador Paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A palavra do Frei Marcos: uma palavra crítica que - a partir de fatos concretos e na escuta dos sinais dos tempos - aponta caminhos novos