quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Discurso de Francisco aos Movimentos Populares - Trabalho é um direito sagrado –



          Neste 5º artigo sobre o Encontro Mundial de Movimentos Populares, destaco o 4º ponto marcante do Discurso do Papa Francisco aos Movimentos Populares: trabalho é um direito sagrado.
            Depois de falar da terra e da moradia como direitos sagrados, o Papa diz: “terceiro, trabalho. Não existe pior pobreza material - urge-me enfatizar isto -, não existe pior pobreza material do que a que não permite ganhar o pão e priva da dignidade do trabalho”.
Com muita objetividade e clareza, Francisco descreve a realidade do trabalho na sociedade atual. “O desemprego dos jovens, a informalidade e a falta de direitos trabalhistas não são inevitáveis, são o resultado de uma prévia opção social, de um sistema econômico que coloca o lucro acima do homem. Os ganhos econômicos, acima da humanidade ou acima do homem, são efeitos de uma cultura do descarte que considera o ser humano em si mesmo como um bem de consumo, que pode ser usado e depois jogado fora”.   
E ainda: “hoje, ao fenômeno da exploração e da opressão, soma-se uma nova dimensão, um matiz gráfico e duro da injustiça social; os que não podem ser integrados, os excluídos são resíduos, ‘sobrantes’. Essa é a cultura do descarte, e sobre isso gostaria de ampliar algo que não tenho por escrito, mas que lembrei agora. Isso acontece quando, no centro de um sistema econômico, está o deus dinheiro e não o homem, a pessoa humana. Sim, no centro de todo sistema social ou econômico, tem que estar a pessoa, imagem de Deus, criada para dar o nome às coisas do universo. Quando a pessoa é deslocada e vem o deus dinheiro, acontece essa inversão de valores”.
São palavras que nos questionam a todos e a todas. Não é o dinheiro que está a serviço da pessoa, mas a pessoa que está a serviço do dinheiro. E é nessa idolatria do dinheiro que consiste a iniquidade do sistema econômico, a injustiça estrutural ou o pecado estrutural.
Sem meias palavras e como verdadeiro profeta, o Papa denuncia as graves consequências desse sistema econômico que descarta as pessoas. A respeito do descarte e retomando o que já disse na Exortação Apostólica “A alegria do Evangelho” (EG), Francisco afirma: “temos que estar um pouco atentos ao que acontece em nossa sociedade”.
Enumera, pois, com realismo e ao mesmo tempo com preocupação, os diversos tipos de descarte que acontecem hoje em dia. “Descartam-se as crianças porque a taxa de natalidade em muitos países da terra diminuiu, ou descartam-se as crianças porque não se tem alimentação, ou porque são mortas antes de nascerem, descarte de crianças. Descartam-se os idosos, porque, bom, não servem, não produzem. Nem crianças nem idosos produzem. Então, sistemas mais ou menos sofisticados os vão abandonando lentamente”.
Com muita dor no coração, Francisco afirma: “e agora, como é necessário, nesta crise, recuperar um certo equilíbrio, estamos assistindo a um terceiro descarte muito doloroso, o descarte dos jovens. Milhões de jovens. Eu não quero dizer o dado, porque não o sei exatamente, e o que eu li parece um pouco exagerado, mas milhões de jovens descartados do trabalho, desempregados”.
Depois de lembrar que - segundo as estatísticas - nos países da Europa o desemprego de jovens chega a 40%, 50% e até 60%, o Papa reconhece: “são dados claros, ou seja, do descarte”. E conclui com um desabafo: “descarte de crianças, descarte de idosos, que não produzem, e temos que sacrificar uma geração de jovens, descarte de jovens, para poder manter e reequilibrar um sistema em cujo centro está o deus dinheiro, e não a pessoa humana”.
Enfim - agradecido aos trabalhadores e trabalhadoras excluídos e excluídas por sua persistência e perseverança - deixa-nos uma mensagem de esperança, mostrando que acredita na força dos Movimentos Populares. “Apesar disso, a essa cultura de descarte, a essa cultura dos sobrantes, muitos de vocês, trabalhadores excluídos, sobrantes para esse sistema, foram inventando o seu próprio trabalho com tudo aquilo que parecia não servir mais para nada... Vocês, com a artesanalidade que Deus lhes deu, com a sua busca, com a sua solidariedade, com o seu trabalho comunitário, com a sua economia popular, conseguiram e estão conseguindo... E, deixem-me dizer, isso, além de trabalho, é poesia. Obrigado”.
Francisco termina reafirmando os direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras. “Desde já, todo trabalhador, esteja ou não no sistema formal do trabalho assalariado, tem direito a uma remuneração digna, à segurança social e a uma cobertura de aposentadoria. Aqui há coletores de materiais recicláveis, recicladores, vendedores ambulantes, costureiros, artesãos, pescadores, camponeses, construtores, mineiros, operários de empresas recuperadas, todos os tipos de cooperativados e trabalhadores de ofícios populares que estão excluídos dos direitos trabalhistas, aos quais é negada a possibilidade de se sindicalizar, que não têm uma renda adequada e estável. Hoje, quero unir a minha voz à sua e acompanhá-los na sua luta”.
Diante de uma economia que mata (cf. EG, 53) - e mata silenciosamente - dentro de uma legalidade hipócrita, como se fosse a coisa mais natural do mundo, ouçamos a voz do Papa. Suas palavras proféticas fortalecem-nos na caminhada.
Como faz Francisco, confiemos na força libertadora e transformadora dos Movimentos Populares. Coloquemos os espaços de nossas Comunidades e Paróquias (salas, salões, Igrejas) a serviço de sua organização. Sejamos próximos e solidários para com eles. Enfim, participemos - como cidadãos e cidadãs, como cristãos e cristãs - de suas lutas por um outro mundo possível e necessário.

Para os e as que acreditam na mudança, a esperança nunca morre! Que o ano de 2015 traga a todos e todas nós muitas alegrias e muitas vitórias!




Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP),
Professor aposentado de Filosofia da UFG
Goiânia, 01 de janeiro de 2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A palavra do Frei Marcos: uma palavra crítica que - a partir de fatos concretos e na escuta dos sinais dos tempos - aponta caminhos novos