terça-feira, 3 de setembro de 2013

Farra parlamentar

Em um ano, 16 deputados estaduais fizeram 30 viagens internacionais para 13 países diferentes. O total gasto foi de R$ 774,135,42. A Assembleia Legislativa de Goiás pagou em média R$ 25.8 mil por viagem.
Gravem o nome dos deputados que viajaram com toda mordomia, gastando o dinheiro do povo: Ademir Menezes - PSD (Estados Unidos: R$ 19.972,90), Álvaro Guimarães - PR (Argentina: R$ 13.010,00), Bruno Peixoto -PMDB (Estados Unidos: R$ 23.077,88), Carlos Antônio - PSC (País não informado - duas vezes - e Suécia: R$ 73.037,54), Claudio Meirelles - PR (Estados Unidos - três vezes -: R$ 63.062,50), Daniel Messac - PSDB (Espanha: R$ 29.784,80), Francisco Junior - PSD (Portugal: R$ 31,093,05), Frederico Nascimento - PSD (Portugal: R$ 29.331,15), Helder Valin - PSDB (Austrália, Nova Zelândia e China: R$ 53.264,10), Iso Moreira - PSDB (País não informado e Itália: R$ 49.090,50), Lincoln Tejota - PSD (Estados Unidos, México e Suécia: R$ 54.724,80), José de Lima - PDT (País não informado e Portugal: R$ 53.340,15), José Vitti - DEM (África do Sul, Canadá e Estados Unidos: R$ 46.413,30), Paulo Cezar Martins - PMDB (Espanha e Estados Unidos - duas vezes -: R$ 71..745,30), Talles Barreto - PTB (Inglaterra, País não informado e Portugal: R$ 90.630,15), Túlio Isac - PSDB (País não informado - duas vezes - e Estados Unidos: R$ 72.555,30).
Eleitores e eleitoras, será que esses parlamentares merecem o seu voto? Reparem: eles sequer se lembram do destino das viagens e do valor total gasto. Que deboche! Quanta falta de responsabilidade! Onde está a transparência no uso do dinheiro público? Por que a Assembleia Legislativa não presta conta à sociedade?  
Por que - apesar de a Lei N. 12.527 de 18 de novembro de 2011 (Lei de Informação) dispor “sobre os procedimentos a serem observados pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, com o fim de garantir o acesso a informações” (Art. 1o) - nem todas as informações estão disponíveis para consulta? (Cf. O Popular, 26/08/13, p. 10).
Como a mídia divulgou a falcatrua dos parlamentares e a sociedade ficou indignada, o mesmo Jornal, no dia seguinte, publicou a notícia: “a Assembleia Legislativa editou um novo decreto para regulamentar a concessão de diárias e ajuda de custo na Casa, diminuindo os valores pagos e definindo melhor as regras para prestação de contas e entrega de relatórios. O documento vale para diárias - tanto internacionais como nacionais - concedidas a partir do início deste mês” (Ib. 27/08/13, p. 11).

Reparem: os nossos parlamentares estão mais preocupados em parecer éticos do que em ser éticos. Lembro à Assembleia Legislativa que não basta editar um novo decreto, entrando em vigor no início deste mês, mas é preciso investigar o mau uso do dinheiro público, que é dinheiro do povo. Os responsáveis devem ser processados, julgados e obrigados a devolver aos cofres públicos o dinheiro roubado. Onde está o Ministério Público? Por que tanta omissão? A denúncia é divulgada na mídia e tudo fica por isso mesmo? Não dá para entender tanta conivência. Está na hora de tomar as providências legais cabíveis. È uma questão de justiça.
O nosso irmão Francisco, bispo da Igreja de Roma, lembra aos cristãos que “envolver-se na política é uma obrigação”. Os cristãos não podem “fazer de Pilatos, lavar as mãos”. “Devemos - afirma Francisco - implicar-nos na política, porque a política é uma das formas mais elevadas da caridade, visto que procura o bem comum”.
“Os leigos cristãos devem trabalhar na política. Dir-me-ão: não é fácil. (...) A política é demasiado suja, mas é suja porque os cristãos não se implicaram com o espírito evangélico. É fácil atirar culpas... mas eu, que faço? Trabalhar para o bem comum é dever de cristão” (Francisco, Encontro com crianças e jovens de escolas e movimentos Jesuítas. Vaticano, 07/06/13).
Meditemos essas palavras do nosso irmão Francisco. Vamos à luta. Sejamos “profetas da Vida” (Documento de Aparecida, 471).


Fr. Marcos Sassatelli, Frade dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP),
Professor aposentado de Filosofia da UFG
Goiânia, 29 de agosto de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A palavra do Frei Marcos: uma palavra crítica que - a partir de fatos concretos e na escuta dos sinais dos tempos - aponta caminhos novos